My Sound Mag

Cartazes, Horários e música

2015/09/02

VODAFONE PAREDES DE COURA 2015 @ DIA 3

A reportagem da terceira noite do Festival Vodafone Paredes de Coura 2015

O terceiro dia do Vodafone Paredes de Coura estava marcado na agenda para receber alguns dos maiores veteranos da música, mas foi o funk e o soul que ensinaram uma lição musical à malta.

[clica nas imagens para veres a galeria fotográfica dos concertos]

X-Wife no Vodafone Paredes de Coura 2015
Mas antes de lá chegarmos, o fim de tarde neste terceiro dia de festival começa com os X-Wife em palco. Já com 4 discos editados, esta banda do Porto provou que veio para ficar e fazer jus ao punk-moda-funk, como cantou um dia o seu conterrâneo Manel. Temas como “Fireworks”, "Keep on Dancing" e “Realize” abasteceram-nos de energia numa atuação que não ficou na memória, mas cumpriu o objetivo.

Entretanto, os Allah-Las serviram apenas de música de fundo, num concerto que nos pareceu demasiado longo – talvez pelos temas serem praticamente iguais, num género de canção interminável.

Allah-Las no Vodafone Paredes de Coura 2015
Contudo, combinaram bem com as cores do final de tarde de Paredes de Coura, e é sempre bom ter um momento de pausa de cerveja na mão. Quiçá no futuro não teremos oportunidade de os ver num contexto e estado de espírito diferentes?

Depois do último concerto em Portugal, no Armazém F, esperava-se que o anjo negro trouxesse algo inovador para o formato-festival – mas Mark Lanegan trouxe exatamente a mesma intensidade e profundeza.  (NA: fez lembrar Anna Calvi, em 2012, também aqui em Paredes de Coura – concertos que nos levam a uma melancolia familiar.)

Com uma voz única, este lobo de várias andanças escolheu abrir o repertório com “Harvest Moon” e durante os primeiros temas o público estava ainda a tentar encontrar o ritmo; metade da plateia atenta, lá em baixo de pé – outra metade sentada, já um pouco exausta do dia anterior mas também rendida ao intimismo e maturidade musical que Lanegan ofereceu.


Não é certo que o formato festival seja o melhor para um artista como Mark Lanegan, mas ainda assim o anjo negro provou que onde quer que vá existe sempre uma massa considerável de fãs que vibra com clássicos como a "Hit The City" e "One Way Street".
Mark Lanegan no Vodafone Paredes de Coura 2015

O entusiasmo cresceu por fim com temas de peso como "I Wolf", e "Gravedigger's Song", culimando no momento alto da noite em que Lanegan canta respeitosamente “Atmosphere” de Joy Division, num cover arrepiante.

Findo o concerto, fica a certeza de que independentemente do contexto em que Lanegan se apresenta em palco, é sempre uma honra poder assistir ao que ele faz em palco. Até breve, esperamos nós.

Seguido de uma boa dose de intensidade, chegara a altura de outro veterano pisar o palco; Charles Bradley, 66 anos, terá vindo para deitar “a casa abaixo” com o seu funk/soul bem vincado pela vida. O anfiteatro natural caiu aos seus pés, e Bradley agradeceu emotivamente a cada tema fazendo sobressair o amor que lhe reside na voz; “I come from a time where Love was.. Love”, fez questão de enfatizar.

Charles Bradley no Vodafone Paredes de Coura 2015
Acompanhado por uma banda exímia com elementos dos Dap-Kings, Bradley inundou Paredes de Coura com pinceladas musicais a funk clássico e soul com raízes num James Brown que ele tão bem personificou outrora.

Interessante que este monstro do funk tenha gravado o seu primeiro LP em 2011, mostrando que nunca é tarde para se fazer boa música.

Uma banda de luxo com uma voz de ouro, num repertório altamente sensual sem falha alguma; “Let Love Stand a Chance", "Confusion" foram alguns dos temas que ficaram na memória, mas foi com “Lovin’You Baby” que tudo se tornou “sexy” – e após uma hora de música, passos de dança à disco-70s, e amor (muito amor!), chegou ao fim um dos melhores (senão o melhor?) concerto desta edição do Vodafone Paredes de Coura. Obrigado, Bradley!

O palco principal encerra então o terceiro dia com War on Drugs, que após o sucesso popular do disco Lost in the Dream, voltam a pisar solo nacional para rockar american-style.

Embora não seja tarefa fácil arrasar depois de Charles Bradley, os War on Drugs sabem muito bem envolver o público – seja com os seus temas clássicos, ou com os devaneios musicais on stage, numa explosão de rock bem aceso.

War on Drugs no Vodafone Paredes de Coura 2015

“Disappearing", "Red Eyes", "Ocean in Between The Waves”, o já clássico "Under The Pressure" "Arms Like Boulders" e "Baby Missiles" fizeram parte de um alinhamento fogoso que não deixou ninguém quieto.

Os War on Drugs conquistam qualquer público, e esta foi uma despedida em grande num terceiro dia marcado por algum cansaço já, e por música elevada ao luxo. Estávamos a caminho do último cartucho agora…

Data: 2015-08-21
Fotografia: André Roma
Texto: Li Alves


Vê aqui todas as reportagens do Festival Vodafone Paredes de Coura 2015:

- Vodafone Paredes de Coura 2015 @ Dia 1
- Vodafone Paredes de Coura 2015 @ Dia 2
- Vodafone Paredes de Coura 2015 @ Dia 3
- Vodafone Paredes de Coura 2015 @ Dia 4