My Sound Mag

Cartazes, Horários e música

2013/07/29

THE KILLERS @ SUPER BOCK SUPER ROCK 2013


Chegaram uns minutos atrasados, mas ninguém levou a mal. Começaram, e bem, com o clássico “Someybody Told Me” do primeiro e saudoso álbum Hot Fuss, editado em 2004, de onde viriam a ser extraídos mais um punhado de bons temas. Seguiu-se mais um hit, “Spaceman”, retirado do terceiro álbum de estúdio Day & Age.

A banda é natural de Las Vegas, Nevada, e faz questão de o demonstrar em palco. “Somos os rapazes da cidade do pecado,” disse o vocalista Brandon Flowers, ele que até já tinha passado pelo Meco com o seu projeto a solo. A propósito do vocalista, soube desembaraçar-se bem perante as 28 mil pessoas (números da organização) que estavam à sua frente. A nossa equipa viu, contudo, muito espaço livre no recinto durante o concerto… Adiante.

Flowers exibiu o seu sorriso pepsodent com toda a pompa e circunstância, e ficámos impressionados com um detalhe: o senhor canta mesmo bem ao vivo. Os agudos não falham, e a sua voz não cede. Nota positiva.

O aparato visual apresentado pelos The Killers – onde se destacam a utilização de luzes fortes, pirotecnia e confettis à mistura – faz-nos crer que a banda está a pensar elevar-se a banda de estádio. Não duvidamos nem um pouco que um dia consigam atingir o objetivo.

Outras das músicas muito celebradas foram “Smile Like you Mean It”, Bling (Confession of a King) – introduzida por uma versão ao piano de “Human” –, a nova Miss Atomic Bomb que, embora não sendo dos novos melhores temas do mais recente trabalho dos The Killers, também não é totalmente má e, claro, “Human”, efusivamente festejada.

Ainda delirámos com “For Reason Unknown” – ainda que o público tenha passado ao lado da mesma – e com Read My Mind, um belo tema que merecia um coro ainda maior.

Quase na reta final do concerto (antes do encore) tivemos "Runaways", primeiro single de Battle Born, e “All These Things That I’ve Done” encerrava a falsa despedida.

Até porque no encore faltavam três trunfos: “Jenny Was a Friend of Mine” – adoramos no álbum, ao vivo nem por isso -, “When You Were Young”, e a mais esperada de todas, sem antes uma breve introdução por parte de Flowers: “Querem mais alguma coisa de nós? O que é que vos podemos oferecer?”, e o recinto explode com os primeiros acordes de “Mr Brightside”. O público saltou como não o fizera antes.

Foi um excelente concerto. Certinho e limpinho, os rapazes de Las Vegas são sempre bem recebidos em Portugal. Obrigado pela festa.


Data: 2013-07-19
Fotografia: Sónia Pena
Texto: Alexandre Lopes

Artigos Relacionados:
Dia 1
Dia 2
Dia 3